Mostra fica aberta ao público até o dia 30 de junho

O amor à natureza é reverenciado na mostra CÉLIO DE FARIA – PINTURAS, com inauguração prevista para a próxima quarta-feira (10), no Centro de Arte Popular – Cemig, vinculado à Secretaria de Estado de Cultura e integrante do Circuito Liberdade. Telas com flores, vasos e paisagens são a maioria dos cenários retratados, complementados por uma série de temas abstratos. As obras desse pintor autodidata, um dos mais promissores de Minas Gerais, integram a exposição que tem entrada gratuita e fica em cartaz até o dia 30 de junho.

A exposição CÉLIO DE FARIA – PINTURAS tem a curadoria de José Alberto Nemer e apresenta uma seleção de 58 pinturas pertencentes a colecionadores particulares que viram no pintor grande talento e agora cederam as peças para compor esta exposição.

Nascido em Belo Horizonte no ano de 1947 numa família de quatorze irmãos, Célio de Faria começou a trabalhar cedo, ajudando o pai como pedreiro, pintor de parede e comerciante. Em seguida começou a atuar como moldureiro, já adulto. Esta atividade lhe proporcionou convivência periférica com a arte e contato fragmentado com obras de alguns artistas.

Autodidata, Célio nunca estudou arte, nunca teve professor, nem mesmo um convívio próximo com o meio de artes visuais. Suas criações se deram longe das influências e tendências da moda ou de modelos compartilhados.

O curador Nemer avalia a produção do pintor retratado e os diálogos possíveis com outros artistas. “Sua obra nos remete a um território mais profundo e atávico do inconsciente coletivo. São surpreendentes as analogias entre as árvores de Célio e as de outros artistas, como em algumas pinturas de Gilvan Samico ou de Henri Matisse, e até mesmo de um certo afresco assírio do século VII antes de Cristo”, reflete.

Até mesmo a assinatura do artista é destacada como detalhe importante das obras, segundo informa Tadeu Bandeira, Diretor do Centro de Arte Popular. “Além da assinatura convencional ao pé da pintura, Célio de Faria costuma assinar também no verso da obra, mas não é uma assinatura qualquer. Há nela uma curiosa e instigante composição geométrica, como se fosse um cartaz a anunciar o artista”, comenta.

Angelo Oswaldo, secretário de Estado de Cultura, revela outras particularidades na obra do artista. “O pintor enreda narrativas de um mundo bucólico e luminoso, em curvas e volteios de surpreendente composição. O autodidata surgido em contexto alheio e estranho às manifestações artísticas é dotado da pureza do gesto que reinventa as coisas”, diz.

Sobre o Centro de Arte Popular - CEMIG

Espaço privilegiado de divulgação e apreciação do trabalho de artistas populares de todo o estado de Minas Gerais, o acervo do museu conduz o visitante ao imaginário de diferentes artistas. Por meio de suas obras, somos conectados às origens, histórias e crenças de um povo que traz nas mãos um sincretismo cultural próprio.

Em seus dois primeiros andares, o Centro de Arte Popular – Cemig abriga salas que retratam a arte popular mineira. Com 800 peças, seu acervo é organizado por materiais, temas e cronologia, onde o visitante pode conferir esculturas em madeira e em cerâmica, telas e teares. Mídias, som e imagem tornam as exposições ainda mais dinâmicas e interativas, e ajudam na contextualização dos temas, mostrando ao visitante uma dimensão mais ampla e profunda do histórico cultural de cada região.

Serviço

Exposição: CÉLIO DE FARIA - PINTURAS
Abertura: 10 de maio, às 19 horas
Período de visitação: 11 maio a 30 de junho de 2017.

Local: Centro de Arte Popular – Cemig – Sala de Exposições Temporárias
Endereço: Rua Gonçalves Dias, 1.608 - Lourdes
Horário: terças, quartas e sextas-feiras, das 10h às 19h | quintas-feiras, das 12h às 21h | aos sábados e domingos, das 12h às 19h

Informações: (31) 3222-3231
Assessoria de Imprensa: Angelina Gonçalves – (31) 3269-1109 / 9 8876-8987

 

0
0
0
s2smodern
powered by social2s

Programação

  • Observatório

    Observatório do Circuito Liberdade é espaço permanente de debates

    O Circuito Liberdade, sob a gestão do Instituto Estadual de Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha/MG), mantém um fórum permanente de escuta da sociedade: o Observatório do Circuito Liberdade. Neste espaço, buscamos o diálogo com as universidades, movimentos sociais e coletivos de cultura, para que governo e sociedade possam pensar juntos em soluções para as políticas de Cultura de Minas Gerais.

    Leia mais

  • Centro de Informação ao Visitante

    Prédio do Rainha da Sucata abriga o CIV 

    O prédio do Rainha da Sucata abriga o Centro de Informação ao Visitante (CIV) do Circuito Liberdade, possui uma equipe que dispõe de todas as informações sobre o funcionamento e a programação dos espaços do Circuito Liberdade. Os atendentes prestam informações turísticas também sobre Belo Horizonte e Minas Gerais. 

    Leia mais

  • Ações em rede: em busca de soluções compartilhadas

    Articular ações em rede é um dos desafios permanentes do Circuito Liberdade. Tendo como ponto de partida a política estadual de cultura, a equipe do Circuito realiza projetos coletivos, que envolvem os diversos equipamentos culturais do complexo.

    O objetivo deste trabalho é ampliar os resultados das atividades e envolver novos grupos no desenvolvimento dos eventos. Em rede, as ações múltiplas e diversificadas alcançam um público maior, potencializam recursos e habilidades e também propiciam o aprendizado e o compartilhamento de soluções.

    Esta concepção, a partir de uma ótica de cooperação, é inerente ao projeto do Circuito Liberdade, que, sob a gestão do Iepha-MG, se articula com o espaço urbano e os grupos artísticos e populares da capital e do estado de Minas Gerais.

    As ações em rede do Circuito Liberdade são executadas incluindo, além de todos os espaços do projeto, diversos parceiros institucionais públicos e privados.

    Atualmente são realizadas as seguintes ações em rede: Natal, Circuito das Letras, Museomix e Concurso no Instagram.

    Leia mais

  • Indicadores e Pesquisa de Público do Circuito

    Desde a sua inauguração em 2010, o número de visitantes recebido pelo Circuito Liberdade é coletado mensalmente, conferindo-nos a dimensão quantitativa do público atendido pelos nossos espaços culturais.

    Complementando esse importante indicador, realizamos desde 2016 a Pesquisa de Público do Circuito Liberdade, que permite a coleta de outras informações relevantes para a gestão, como a satisfação dos visitantes e o perfil do público, com vistas a melhorar os serviços culturais que oferecemos à população de Belo Horizonte e aos turistas.

    A Pesquisa de Público 2017 do Circuito Liberdade foi realizada em parceria com o curso de turismo da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), que deverá se repetir em 2018.

    Objetivo geral

    • Identificar o perfil do usuário do Circuito Liberdade e a qualidade da infraestrutura e dos serviços prestados pelos espaços.

    Objetivos específicos

    • Identificar as características básicas e as motivações do visitante e demais usuários do Circuito Liberdade;

    • Identificar e diferenciar o perfil e as demandas dos turistas ao Circuito Liberdade;

    • Identificar as condições de recebimento dos usuários do Circuito Liberdade;

    • Avaliar a satisfação dos usuários com relação aos espaços do Circuito Liberdade;

    • Avaliar o conhecimento dos usuários dos espaços culturais em relação ao projeto Circuito Liberdade.

    Contribua também com os nossos indicadores, respondendo o seguinte formulário: http://bit.ly/2D4HQZp

Parceiros

  • Arquivo Publico Mineiro
  • BDMG Cultural
  • Biblioteca Publica Luiz
  • Casa Fiat
  • Centro Cultural
  • Fundacao Clovis Salgado
  • Gerdau
  • UEMG
  • Minas Tenis