1-filarmônica-de-minas-gerais-Sala Minas Gerais foto-rafael-motta

A abertura da nova temporada da Filarmônica de Minas Gerais marca os cinco anos da Sala Minas Gerais, sede da Orquestra em Belo Horizonte e considerada uma das melhores salas de concerto da América Latina. Os concertos acontecem nos dias 13 e 14 de fevereiro, às 20h30, com a Sinfonia nº 2 em dó menor, “Ressurreição”, de Gustav Mahler, obra que inaugurou o espaço em 2015. Com regência do maestro Fabio Mechetti, dividem o palco com a Orquestra a soprano Camila Titinger, a mezzo-soprano Luisa Francesconi, o Coro da Osesp, sob regência de William Coelho, e o Coral Lírico de Minas Gerais, sob regência de Hernán Sánchez.

Para o maestro Fabio Mechetti, “a Sala Minas Gerais foi a coroação de um projeto sinfônico ímpar. Em poucos lugares do mundo houve a oportunidade de se construir uma orquestra e uma sala de excelência. Belo Horizonte junta-se a poucas cidades internacionais que possuem dois patrimônios assim. Hoje, a cidade e o estado participam de um circuito cultural invejável, podendo atrair não só novos amantes da música erudita, mas também ser um polo de irradiação econômica que estimula, além da cultura, a educação, o turismo e a vida financeira local”. Na história da música sinfônica, toda grande orquestra tem sua sala de concertos. O diretor artístico explica que, “juntas, orquestra e sala criam suas próprias sonoridades e fazem com que a música ali produzida sirva como agente de transformação civilizatória da sociedade. Acredito que tanto a Filarmônica quanto a Sala Minas Gerais vêm cumprindo essa missão com louvor”, conclui o maestro.

Antes das apresentações, entre 19h30 e 20h, o público poderá assistir aos Concertos Comentados. O palestrante da noite será o percussionista da Filarmônica, Werner Silveira, também curador do projeto. As palestras são gravadas em áudio e ficam disponíveis no site da Orquestra.

Estes concertos são apresentados pelo Ministério da Cidadania, Governo de Minas Gerais e Itaú por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura.

Temporada 2020

Além da comemoração dos cinco anos da Sala Minas Gerais, a celebração dos 250 anos de nascimento de Beethoven é destaque da Temporada 2020. Serão apresentados o ciclo dos cinco concertos para piano do compositor, com a participação de Arnaldo Cohen, e todas as suas sinfonias (total de nove composições) e aberturas.

Ao longo do ano, a Orquestra contará com a presença de jovens expoentes da música de concerto, como Ronaldo Rolim, Leonardo Hilsdorf, Danielle Akta e Daniela Liebman, sendo estas últimas de apenas 17 anos; de renomados regentes, como Leif Segerstam, Conrad van Alphen, Thomas Sanderling e JoAnn Falletta; solistas internacionais como o trompista Eric Terwilliger e a vencedora do último concurso Rainha Elizabeth da Bélgica, violinista Stella Chen, e brasileiros consagrados internacionalmente como Cristian Budu e Antonio Meneses.

A Filarmônica celebra ainda os nascimentos dos compositores Fauré (175 anos), Lehár (150 anos), Castelnuovo-Tedesco e Hindemith (125 anos), e também os 100 anos de morte de Bruch e Nepomuceno, os 75 anos de morte de Bartók, Braga, Mascagni e Webern.

A temporada conta também com a Série Filarmônica em Câmara, quando músicos da Orquestra apresentam no palco da Sala Minas Gerais obras do repertório camerístico, buscando criar um contato mais próximo com grupos de instrumentos, aprofundar a percepção sobre a diversidade de timbres, assim como promover diálogo estreito entre público e músicos.

CONCERTO DE ABERTURA – TEMPORADA 2020

13/2 e 14/2, 20h30, Sala Minas Gerais

 

Ingressos:

R$ 50 (Terraço), R$ 50 (Mezanino), R$ 55 (Balcão Palco), R$ 75 (Balcão Lateral), R$ 100 (Plateia Central), R$ 130 (Balcão Principal) e R$ 150 (Camarote Par).

Meia-entrada para estudantes, maiores de 60 anos, jovens de baixa renda e pessoas com deficiência, de acordo com a legislação.

Ingressos comprados na bilheteria não têm taxa de conveniência.

Informações: (31) 3219-9000 ou www.filarmonica.art.br