As principais ações e conquistas da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) em 2019 foram apresentadas à imprensa pelo secretário da pasta, Marcelo Matte, nesta sexta-feira (13/12), na Cidade Administrativa, em Belo Horizonte. Em seu primeiro ano à frente da Secult, Matte destaca avanços como a recuperação orçamentária de instituições da administração direta e indireta, a garantia de recursos para projetos de preservação e proteção do patrimônio histórico e cultural de Minas Gerais e o lançamento da marca de destino Minas.

“Recuperamos orçamentos importantes, construímos um planejamento estratégico e entregamos obras necessárias, como a da Fundação Clóvis Salgado e da Biblioteca Pública Estadual, em que o governo do Estado investiu R$2,5 milhões”, citou Marcelo Matte, enfatizando que “é compromisso desta gestão manter todos os equipamentos culturais do Estado em funcionamento para a execução das políticas públicas”.

Outra conquista comemorada pelo secretário de Estado de Cultura e Turismo foi o convênio firmado com a Cemig para o patrocínio de R$4,5 milhões a projetos de preservação e proteção de museus do Sistema Estadual, bibliotecas, igrejas e Arquivo Público. Os equipamentos receberão sistemas de alarme contra intrusão e roubo e de prevenção a incêndios, como também ações educativas e de revitalização de infraestrutura. Além disso, a Cemig foi anunciada, em novembro, patrocinadora máster da Fundação Clóvis Salgado, com um investimento de R$5 milhões. O objetivo é viabilizar melhorias e manutenção adequadas ao grande teatro e oferecer maior conforto aos artistas e ao público. Com esta parceria, um dos equipamentos culturais mais tradicionais de Minas Gerais passa-se a chamar Grande Teatro Cemig Palácio das Artes.

Entre as ações de posicionamento de Minas Gerais diante do mercado turístico, Matte ressaltou o lançamento da marca de destino Minas, “ação inédita que potencializa e reforça nossos atrativos e roteiros para todo o Brasil”, disse.

Políticas de incentivo à cultura

Com relação a políticas culturais de incentivo, o destaque da Secult é o recente lançamento dos Editais Minas de Culturas Populares. Com os editais, a ideia é democratizar o acesso a recursos de incentivo por meio de um formato inovador no critério de seleção, como explica o secretário. “Queremos distribuir de forma mais justa os investimentos da Lei de Incentivo. No Estado, o histórico da promoção cultural mostra que, nos últimos 10 anos, 70% dos recursos incentivados ficavam em Belo Horizonte e região metropolitana. As regiões menos assistidas, como o Vale do Jequitinhonha, recebiam apenas 0,57%. Nos editais Minas de Culturas Populares, quanto menor o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal, mais pontos o município tem para concorrer aos recursos”. Serão R$2,5 milhões destinados ao conjunto de três editais, que beneficiam todo o estado.

Turismo

A parceria firmada com a Azul Linhas Aéreas para a operação de um voo internacional entre o aeroporto de Confins e Fort Laderdale, nos Estados Unidos, e de mais 10 voos para destinos nacionais foi o exemplo que o secretário Marcelo Matte citou para demonstrar como a pasta vem planejando o aumento do fluxo turístico em Minas Gerais. “Estamos estudando a retomada de voos regionais da capital para o interior e a atração de mais voos nacionais para Minas Gerais, por meio de redução do ICMS sobre querosene de aviação. A alíquota será negociada com cada empresa e, quanto maior o número de assentos e voos oferecidos pela companhia, maior será o incentivo tributário”, explicou.

Outra conquista importante que, na opinião do secretário, será fundamental para alavancar o turismo em Minas Gerais, é a recuperação do vapor Benjamim Guimarães, que se tornou possível após a assinatura, em dezembro, do convênio entre Ministério do Turismo e Secult. O Ministério vai liberar R$3,7 milhões para a reforma desta que é uma das últimas embarcações movidas a lenha no mundo. “A verba foi enviada ao Iepha, que vai executar as licitações para recuperar o vapor. Nossa expectativa é vê-lo navegando até o final do ano que vem”, disse Matte.

Equipamentos Culturais

A apresentação do balanço incluiu, também, resultados relativos aos equipamentos culturais e instituições de administração indireta da Secult: a ampliação de horários de visitação e a realização da Troca de Guarda da Polícia Militar de Minas Gerais no Palácio da Liberdade; a abertura do Palácio das Mangabeiras para a visitação pública e a parceria firmada entre a Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemge) e a Casacor para sua preservação; a renovação do convênio entre Secult e Codemge para manter o Programa Bandas de Minas; e a recuperação orçamentária da Rede Minas e da Rádio Inconfidência, que permitirá a permanência dos dois importantes veículos de comunicação mineiros, inclusive, com a contratação de novos jornalistas para a rede de televisão em 2020.

Projetos para 2020

Matte falou aos jornalistas, também, sobre os próximos projetos da pasta no próximo ano. Um deles é voltado ao incentivo do turismo nos municípios mineiros: instalação de cabeamento subterrâneo e oferta de internet gratuita em cerca de 50 cidades históricas.

“Este projeto será realizado em parceria com a Cemig e está sendo analisado pelo Iepha. Estão previstos custeios de R$10 milhões por ano, durante quatro anos, e os primeiros municípios a receberem o projeto, ainda no primeiro semestre do ano que vem, serão Conceição do Mato Dentro e Serro”, adiantou Matte.

Para a alcançar a meta desta gestão para a rede hoteleira, que é chegar ao final de 2023 com a taxa de ocupação de hotéis em Minas Gerais na casa dos 70% e aumentar em 10% ao ano o fluxo turístico, o secretário explica que está em análise a possibilidade de implementar em Belo Horizonte o stopover, ou seja, oferecer ao turista que passar pela capital mineira benefícios como descontos em hotéis, restaurantes e atrações turísticas caso a permanência dele na cidade seja de mais de três ou quatro dias. “Quanto maior o tempo do turista na cidade, mais benefícios ele terá. Isso está em análise com nossos parceiros das redes hoteleira e gastronômica da capital”, ressaltou Matte.

Outra ação que pretende reforçar o estado como um potencial atrativo turístico é a campanha nacional de promoção de Minas Gerais que, ainda em dezembro, vai lançar a primeira mídia impressa de circulação em todo o país. Para 2020, estão previstas circulações em canais abertos e pagos, internet e mídias segmentadas. A proposta é fortalecer Minas Gerais e sua marca como destino turístico. “É muito importante promover Minas Gerais como destino turístico, já que temos diferenciais competitivos importantes, como povo acolhedor, segurança, patrimônio histórico absolutamente relevante, circuitos culturais, cachoeiras, montanhas e a melhor gastronomia do país. Temos a pretensão de ativar a economia do Estado e ser o hub turístico cultural mais importante do Brasil”, finalizou o secretário Marcelo Matte.

 

Fotos: Marco Evangelista/Imprensa MG