Adeus Minha Concubina

No mês de outubro, a magia da ópera invade não só os palcos do Grande Teatro do Palácio das Artes, mas também as telas do Cine Humberto Mauro. A mostra A Ópera no Cinema, que permanece em cartaz do dia 21 de outubro a 11 de novembro, trará obras cinematográficas influenciadas por grandes óperas da história mundial, sejam em adaptações diretas, narrativas livremente inspiradas ou trilhas sonoras. A programação conta com 22 longa-metragens que abrangem produções dos anos 1920 até 1990, de versões fílmicas de óperas homônimas como La Traviata (1982), La Bohème (1926) e a A Flauta Mágica (1975), até clássicos do cinema como Uma Linda Mulher (1990), Match Point (2005), Apocalypse Now (1979), e Amadeus (1984). Esseevento tem correalização da Appa – Arte e Cultura.

Segundo Bruno Hilário, gerente do Cine Humberto Mauro, a ópera dialoga fortemente com o cinema. “A montagem operística também é produzida, convocando elementos estéticos das outras artes: arquitetura, escultura, pintura, música, poesia e dança. O cinema também opera nessa lógica e sua relação com a ópera ajudou a popularizá-la”, explica o gerente. “A mostra contará com diversas adaptações cinematográficas, sem incluir, no entanto, óperas filmadas na íntegra. Optamos por essa escolha com o intuito de explorar a relação entre a ópera e o cinema, mostrando como ambos se complementam, fortificam um espetáculo de visualidade e desenvolvem muito bem a subjetividade dos personagens envolvidos”, ressalta.

A Ópera no Cinema busca explorar variadas interpretações do gênero nas telas. Um Linda Mulher (1990), longa que abre a mostra, narra o contrato de um magnata com uma prostituta, explorando o romance por trás do encontro. O longa é baseado livremente em La Traviata, de Guiseppe Verdi, e conta com árias da ópera na trama. No clássico de Coppola Apocalypse Now (1979), a trilha sonora é marcada pela Cavalgada das Valquírias, composta por Richard Wagner, canção que fomenta uma tonalidade épica na narrativa sobre a Guerra do Vietnã. Outro destaque vai para Amadeus (1984), narrativa dirigida por Milos Forman que acompanha a trajetória de Mozart e suas composições sinfônicas.

A ópera também faz parte de longas como Filadélfia (1993), de Jonathan Demme. Apesar de uma aparição breve em uma cena na qual o protagonista canta e interpreta uma canção de Andrea Chénier,é estabelecido um panorama claro da experiência arrebatadora causada por uma ária operística. A mostra também contará com os clássicos Moulin Rouge (1952), de John Huston e A Época da Inocência (1993), de Martin Scorsese.

As adaptações homônimas para as telas de cinema compõem a mostra com os longas baseados nas óperas italianas A Boêmia (1926), de King Vidor, Don Giovanni (1979), de Joseph Losey, La Traviata (1982) e Pagliacci (1982), ambas de Franco Zeffirelli. As adaptações de óperas alemãs ficam com os longas A Viúva Alegre (1934) de Ernst Lubitsch e A Flauta Mágica (1975), de Ingmar Bergman. A visualidade encantadora da adaptação da ópera francesa Contos de Hoffman (1951), dirigida por Michael Powell e Emeric Pressburger, também faz parte da mostra. Carmen (1984), de Francesco Rosi, e a norte americana Porgy e Bess (1959), de Otto Preminger, encerram esse grupo de longas.

O terror também marca presença nas exibições com o longa de Dario Argento Terror na Ópera (1987), que narra uma maldição que paira sobre a montagem da ópera Macbeth, de Verdi, no Teatro alla Scala em Milão. A programação ainda conta com Diva: Paixão Perigosa (1981), de Jean-Jacques Beineix, Uma Janela Para o Amor (1985), de James Ivory, Adeus, Minha Concubina (1993), de Kaige Chen e Ária (1987), produção de dez curtas-metragens feita por dez diretores, nos quais cada diretor interpreta sua ária favorita, utilizando-a como trilha sonora.

História Permanente do Cinema – Durante A Ópera no Cinema, a mostra História Permanente do Cinema, que exibe clássicos cinematográficos, vai trazer dois longas à tela do Cine Humberto Mauro. Era Uma Vez no Oeste (1968), de Sergio Leone, consagrou-se como um clássico do cinema utilizou dos elementos estéticos operísticos para engrandecer o gênero faroeste. O filme será comentado assim como a sessão de O Fantasma da Ópera (1943), clássico musical dirigido por Arthur Lubin que retrata os crimes de um misterioso homem que habita a Ópera de Paris.

Mostra A Ópera no Cinema

Período: 21 de outubro a 11 de novembro

Local: Cine Humberto Mauro

Endereço: Av. Afonso Pena 1.537 – Centro

Ingressos gratuitos com retirada 1h antes de cada sessão

Informações para o público: (31) 3236-7400

Enviar para impressão