Criado em 2004, o Prêmio Marco Antônio Araújo consagra o melhor CD de música autoral, instrumental e de produção independente do ano anterior a premiação. De lá até aqui, 14 trabalhos foram premiados, sempre assinados por músicos homens. Em 2019, Luísa Mitre, que já havia feito história na 18ª edição do Prêmio BDMG Instrumental, consagra-se como a primeira mulher a vencer a premiação, com o CD “Oferenda”.

Crédito: Élcio Paraíso

Em 18 anos, Luísa foi a segunda premiada pelo BDMG Instrumental. Agora, a instrumentista se destaca pelo seu primeiro trabalho autoral. “Até muito pouco tempo atrás, nunca havia imaginado que eu pudesse algum dia ganhar ou concorrer ao Prêmio Marco Antônio Araújo. Ter vencido o Prêmio BDMG Instrumental foi determinante para que eu acreditasse mais no potencial do meu trabalho autoral, lançasse o disco e me inscrevesse ao prêmio nesse ano”, explica.

Além de receber R$10 mil como premiação, Luísa Mitre irá apresentar um pocket show com o repertório consagrado na finalíssima do Prêmio BDMG Instrumental edição 2019, que acontecerá no dia 19 de maio, no Teatro Sesiminas.

“Ter meu disco escolhido entre as produções mineiras, sempre tão ricas e de alta qualidade, é realmente uma honra e uma alegria muito grandes. Espero que essa conquista inspire outros colegas, principalmente, as mulheres compositoras a levarem seus trabalhos adiante com a confiança de que, se quiserem, podem conquistar estes espaços também”, finaliza.

E Luísa Mitre realmente está inspirando as mulheres. A comissão julgadora que selecionou o trabalho da compositora como o vencedor do Prêmio Marco Antônio Araújo, também definiu os 12 semifinalistas do 19º Prêmio BDMG Instrumental, entre eles, a única mulher a se inscrever nesta edição, Marcela Nunes (flauta transversal).

Crédito: Élcio Paraíso

Os responsáveis pela escolha foram Heloísa Feichas, mestre e doutora em educação musical pela Universidade de Londres, pianista e professora da Escola de Música da UFMG desde 1997; Rodrigo Toffolo, doutor em ciências musicais pela Universidade Nova de Lisboa, mestre em musicologia pelo departamento de pós-graduação em música da UFRJ, integrante do grupo Bateia e fundador, diretor artístico e regente da Orquestra Ouro Preto; e Thiago Delegado, vencedor do Prêmio BDMG Instrumental em 2011 e Marco Antônio Araújo, no mesmo ano, compositor, arranjador e instrumentista mineiro.

Os semifinalistas se apresentarão nos dias 17 e 18 de maio no Teatro Sesiminas. No segundo dia, serão definidos os seis finalistas que concorrerão a premiação final, no domingo, 19. Uma nova comissão julgadora definirá os quatro vencedores, que receberão R$12 mil, e shows em Belo Horizonte, no CCBB-BH, e em São Paulo, no “Instrumental Sesc Brasil”, do Sesc SP, com a participação de um convidado de renome.

Na finalíssima, também serão conhecidos os dois finalistas, melhor arranjador e os dois instrumentistas destaque.

Confira os selecionados:

Assanhado Quarteto, Caetano Brasil Grupo, Carlos Walter, Gustavo Figueiredo, Lucas Telles, Marcela Nunes, Marcelo Fonseca, Marcus Abjaud, PC Guimarães, Pedro Gomes, Rafael Lima Pimenta e Rafael Martini.

Mais informações: 31 3219-8691. Em breve mais informações sobre a final do 19º Prêmio BDMG Instrumental.