Amanhã (19 de novembro), às 14h30, o Museu de Congonhas recebe Paulo Henrique para lançar seu livro "Venenos adocicados - A trajetória do poeta e jornalista Djalma Andrade".  

A obra conta com prefácio escrito pelo secretário de Estado de Cultura, Angelo Oswaldo.

No livro, Paulo Henrique quer resgatar a lembrança de figuras ilustres que fizeram conhecida a cidade mineira de Congonhas, celebrada  pelo culto ao Aleijadinho e a seus Profetas.

O belo e barroco cenário também produziu bons frutos, que manejaram a palavra plena, dom de vida e se notabilizaram com escrita de valores.

Djalma Andrade, singular figura no arranjo das palavras, não foi apenas o jornalista satírico que na História Alegre de Belo Horizonte, fazia cada manhã  brotar sorrisos nos leitores do Estado de Minas.

O autor celebra a obra: "estou muito feliz, pois este livro é resultado de muita pesquisa. Não retrato somente a vida e obra de Djalma, um dos maiores jornalistas de Minas Gerais, mas também apresento diversas histórias políticas, sociais e culturais de nosso estado e do Brasil, na maioria, fatos desconhecidos. É muito bom contribuir no resgate de nossa história. Minas Gerais e Congonhas merecem".

Angelo Oswaldo congratula Paulo Henrique e elogia o livro carregado de boas memórias. "Paulo Henrique de Lima, estimulado por Avelina Noronha, notável estudiosa da história queluzense, realiza um trabalho repleto de significados culturais, ao lançar “Venenos Adocicados”. Conheci Djalma Andrade e seu irmão, o escritor Moacyr Andrade, próximos de meu avô José Oswaldo de Araújo, evocado no livro, e fui amigo de Odin de Andrade, autor do admirado “Juventude, Juventude”, memórias de um belo-horizontino também singular. Valho-me dessas referências para atestar a qualidade da biografia que revela ao leitor não só o poeta, mas toda uma época, por meio de um retrato que flagra, à sua volta, uma legião de personagens da história de Minas Gerais e do Brasil.

"