Montagens aclamadas da Fundação Clóvis Salgado serão relembradas pelo Coral Lírico de Minas Gerais na segunda edição do projeto O Coro e a Ópera – um passeio por óperas maravilhosas e seus coros inesquecíveis e na primeira edição de 2016 das séries Lírico ao Meio-Dia e Lírico em Concerto. Sob regência do maestro Lincoln Andrade, serão interpretados trechos de Romeu e Julieta, de Charles Gounod; Lucia di Lammermoor, de Gaetano Donizetti; Carmen, de George Bizet; além de Nabucco, La Traviata e Aida, de Giuseppe Verdi. O concerto é encerrado com O Fortuna, trecho da cantata Carmina Burana. Para abrilhantar a apresentação, serão exibidos figurinos de algumas dessas montagens no Foyer do Grande Teatro.

Por meio do projeto O Coro e a Ópera, o Coral Lírico de Minas Gerais resgata a produção operística da Fundação Clóvis Salgado ao longo dos anos – entre 1971 e 2016 foram produzidas 78 obras – e reforça uma das características mais marcantes do CLMG, o canto operístico. Foi ouvindo o público e os próprios cantores do Coral Lírico de Minas Gerais que o maestro Lincoln Andrade decidiu criar um projeto para que o corpo artístico interpretasse um programa inteiramente voltado para coros de óperas.  

Por dentro do Coro – O Coral Lírico de Minas Gerais dá continuidade ao projeto que dá ao público a oportunidade de assistir a um concerto de “dentro” do Coral. A proposta pretende aproximar o público dos corpos artísticos da Fundação Clóvis Salgado. Os espectadores poderão registrar a emoção do concerto por fotos e/ou vídeos. O projeto teve início na apresentação de abril da série Sinfônica ao Meio-Dia e foi um verdadeiro sucesso. Cinco pessoas subiram ao palco e se mostraram encantadas com a possibilidade de fruir a música sinfônica por outro ângulo. Foi a resposta positiva do público que motivou o maestro Lincoln Andrade a estender o projeto para as apresentações do Lírico ao Meio-Dia. Na ocasião ele irá convidar quatro pessoas da plateia para subirem ao palco.

Ciclo de Atividades e Palestras da ópera Romeu e Julieta - O concerto marca ainda a realização da última palestra do Ciclo de Atividades e Palestras / ópera Romeu e Julieta que teve a sua última récita no dia 29 de maio. No dia 8 de junho, o maestro Silvio Viegas irá conversar com o público sobre a direção musical em óperas, encerrando o ciclo de palestras sobre a produção operística, que teve início no dia 13 de maio com o maestro Lincoln Andrade falando sobre “A ópera na história”. Em junho ainda serão realizadas duas palestras, com temas que têm interface com o título Romeu e Julieta, ministradas por Aimara Resende. Quem assistir à palestra do maestro Silvio Viegas terá direito a um par de ingressos para a apresentação do Coral Lírico de Minas Gerais que acontece no mesmo dia, às 20h30.

Sobre o programa - Para compor o repertório desta segunda edição, Lincoln Andrade mesclou trechos de títulos amplamente conhecidos no cenário operístico, e que marcaram época na Fundação Clóvis Salgado, como La Traviata, Nabucco e Aida, com outras montagens recentes da FCS, que agradaram ao público. Esse é o caso da versão operística de Romeu e Julieta, que levou 8947 pessoas ao Grande Teatro. “O programa do concerto faz uma viagem, indo das nossas obras mais recentes a outros títulos importantes já apresentados pela Fundação Clóvis Salgado. Títulos que o público gosta de ouvir”, explica Lincoln Andrade.

O concerto começa com a interpretação de trechos de Romeu e Julieta, Vérone vit jadis deux familles; L’heure s’envole; O jour de deuil/Ah! Jour de deuil e Épithalame, respectivamente prólogo, coros do primeiro, terceiro e quarto atos. Destaque para o Épithalame, coro da cena do casamento de Julieta com Páris, que foi cortado na encenação da montagem de Romeu e Julieta feita pela FCS, sendo, portanto, inédito para o público de Belo Horizonte. Outro grande momento deste trecho é o prólogo em que, no formato de coro grego, o Coral é responsável por apresentar as famílias e preparar o ambiente da história de amor que envolve integrantes dos clãs Capuleto e Montecchio.

Em seguida, o Coral Lírico de Minas Gerais interpreta Coro e Cavatina e D’immenso giubilo, trechos da ópera Lucia de Lammermoor, apresentada pela Fundação Clóvis Salgado. A obra de Donizetti é considerada por muitos uma das maiores composições do Bel Canto italiano, caracterizado por melodias opulentas que exigem dos intérpretes grande virtuosismo e uma excelente linha de canto.

Ao interpretar trechos de Carmen, o Coral Lírico dá início à segunda parte do concerto, em que contempla alguns dos principais títulos operísticos de todos os tempos. Choeur des Cigarières – La cloche a sonné; Écoute, écoute, compagnon; Marche et Choeur – Les voici! Les Voici!, representam a obra de Bizet, considerada pelo maestro Lincoln Andrade como a  “síntese da expressão musical de Bizet, com um estilo melódico característico e um significado musical  expressivo únicos”.  Para encerrar a parte operística do concerto, o compositor escolhido foi Verdi, com os coros Va Pensiero, de Nabucco, Coro di Mattadori, da ópera La Traviatta; e scena Trionfale, da ópera Aida.

O concerto termina com a interpretação de O Fortuna, a primeira das três partes da cantata cênica profana Carmina Burana, uma das mais famosas do mundo. Para o maestro Lincoln Andrade, o Fortuna conclui bem o programa das apresentações porque oferece ao público mais um trecho de uma grande obra que dedica um olhar especial para o coro. De autoria do alemão Carl Orff, Carmina Burana é uma louvação à Deusa Fortuna, divindade greco-romana que governa a sorte (boa ou má) e o destino das pessoas.

Sobre o Corpo Artístico:

Maestro Lincoln Andrade - Possui doutorado em Regência pela University of Kansas e mestrado pela University of Wyoming, EUA, onde também foi professor assistente e ministrou aulas de canto coral e regência coral. Foi diretor musical do grupo Invoquei o Vocal, maestro titular do Madrigal de Brasíliae do Coral Brasília. Recebeu prêmios nos Estados Unidos e na Europa. Foi professor e diretor da Escola de Música de Brasília. Regeu concertos na Alemanha, Argentina, Chile, Espanha, Estados Unidos, França, Grécia, Hungria, Paraguai, Polônia, Portugal e Turquia. Atuou como maestro convidado na Orquestra Sinfônica de Minas Gerais e na Orquestra de Câmara Opus, de Belo Horizonte. É constantemente convidado para ministrar palestras sobre regência e canto coral em festivais no Brasil.

Coral Lírico de Minas Gerais- Criado em 1979, o Coral Lírico de Minas Gerais, corpo artístico da Fundação Clóvis Salgado, é um dos raros grupos corais que possui uma programação artística permanente e que interpreta um repertório diversificado, incluindo motetos, óperas, oratórios e concertos sinfônico-corais. Já estiveram à frente do Coral os maestros Luiz Aguiar, Marcos Thadeu, Carlos Alberto Pinto Fonseca, Ângela Pinto Coelho, Eliane Fajioli, Silvio Viegas, Charles Roussin, Afrânio Lacerda e Márcio Miranda Pontes. Seu atual regente titular é o maestro Lincoln Andrade. O Grupo se apresenta em cidades do interior de Minas e em capitais brasileiras com o intuito de contribuir para a democratização do acesso de diversos públicos ao canto coral. As apresentações têm entrada gratuita ou preços populares. O Coral já atuou com a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo e a Orquestra Filarmônica de Minas Gerais, além de apresentar-se com a Orquestra Sinfônica de Minas Gerais. Dentro da política de difusão do canto lírico promovida pelo Governo de Minas, o Coral Lírico desenvolve diversos projetos que incluem Concertos no Parque, Lírico no Museu, Lírico Sacro, Lírico na Cidade, Lírico Educativo e participação nas temporadas de óperas realizadas pela Fundação Clóvis Salgado. O objetivo desse trabalho é fazer com que o público possa conhecer e fruir a música coral de qualidade, além de vivenciar o contato com os artistas.

Sobre os compositores:

Giuseppe Verdi – Verdi é considerado o maior compositor de óperas do período romântico italiano. De família humilde, conseguiu concluir seus estudos de música com a ajuda de um comerciante amigo de seus pais. Verdi revolucionou o cenário musical ao dar mais destaque a aspectos dramáticos das obras, ora marcadas por nacionalismo e patriotismo, ora por um romantismo dramático. Suas últimas obras são quatro peças sacras. No seu testamento, o compositor deixou sua fortuna a uma fundação para ajudar músicos pobres.

Charles Gounod – Compositor francês que iniciou seus estudos, ainda muito jovem, no Conservatório de Paris. Aos 21 anos, ganhou o Prix de Rome, pela obra Cantata Ferdinand, prêmio famoso para jovens compositores, que dava direito a uma bolsa de estudos na Itália. Tomado pela ideia de entrar para o sacerdócio, Gounod passou a compor música religiosa. Fausto (1859), Mireille (1864), Roméo et Juliette (1867) são suas obras mais conhecidas, estando todas entre as mais populares do repertório operístico francês.

Georges Bizet (1838-1875)Compositor francês de óperas, destacou-se como aluno no Conservatório de Paris ao vencer diversas competições. Durante sua carreira, teve suas composições orquestrais e para piano ignoradas e o seu grande reconhecimento só veio após a sua prematura morte, quando já no século XX, seus trabalhos passaram a ser interpretados com mais frequência.

Gaetano Donizetti (1797-1848) – Donizetti é dos compositores mais importantes do período do Romantismo. Em 1818, apresenta a sua primeira ópera, mas o seu grande reconhecimento só vem em 1828, com a ópera Esule di Roma. Apesar de ser famoso por suas óperas, Donizetti também compôs outros estilos musicais, como quartetos de cordas e obras orquestrais.

Carl Orff (1895- 1982) – Foi um compositor alemão conhecido por suas óperas, trabalhos dramáticos e por suas importantes contribuições para a educação musical, seu trabalho de maior sucesso foi a cantata Carmina Burana, de 1937. Off estudou na Academia de Música de Munique.

PROGRAMA

Charles Gounod

Ópera Romeu e Julieta

Prólogo – Vérone vit jadis deux familles

Ato I – L’heure s’envole

Ato III – O jour de deuil/Ah! Jour de deuil

Ato IV – Épithalame

Gaetano Donizetti

Lucia di Lammermoor

Ato I Finale II – Coro e Cavatina

Ato II – D’immenso giubilo

Georges Bizet

Carmen

Ato I – Choeur des Cigarières – La cloche a sonné

Ato III – Écoute, écoute, compagnon

Ato IV – Marche et Choeur – Les voici! Les Voici!

Giuseppe Verdi

Nabucco

Va Pensiero

Giuseppe Verdi

La Traviata

Ato II – Coro di Mattadori

Giuseppe Verdi

Aida

Scena Trionfale

Carl Orff

Carmina Burana

O Fortuna

SERVIÇO

LÍRICO AO MEIO-DIA

Local: Grande Teatro do Palácio das Artes – Av. Afonso Pena, 1537 - Centro

Data: 7 de junho

Horário: 12h

Entrada Gratuita

LÍRICO EM CONCERTO

Local: Grande Teatro do Palácio das Artes – Av. Afonso Pena, 1537 - Centro

Data: 8 de junho

Horário: 20h30

Ingressos: R$30,00 (inteira) e R$15,00 (meia)

Classificação indicativa: 10 anos

Informações para o público: (31) 3236-7400